Signo de Libra

Será toda palavra afeto, se recitada por Mercúrio em Libra, na Venusiana conjunção. Não é o caso desta escrita, pelo que se desculpa de antemão a aspereza: pois Libra, o domicílio diurno de Vênus, é isto: afeto, harmonia, beleza.

Em oposição zodiacal à Áries, o signo impulsivo de ar é tudo unir, tudo harmonizar. E afetuosamente se promete: alegria calma a inebriar a alma, adentrando já nos mares de Netuno, constelação zodiacal de Peixes, a exaltação de Vênus: palco marinho que é só inebriar e sonhos… Seu domicílio, porém, é de feições equilibradas: balanceio de flores e aromas e perfumes e mel de abelhas que permeiam lírios e liras e poemas e sussurros e candores, tudo que na vida faz-se doçura e leveza.

Não fora o influir de Vênus e era o mundo todo um caos: um a um sem se entender deveras, que é um entender de sentir. O que harmoniza, o que é afago e sentimento, é Vênus a unir por dentro. E seu passo pela Terra vê-se em tudo que é tanto força sem força precisar ser: o que convence. Acalmar, impressionar, comover: da poesia à retórica, do canto à reza com que se quer convencer mesmo a um Deus: Vênus é a força que verga um tão diverso mundo sem ter de lhe espremer, sem nada lhe tirar. Cede-se a Vênus como a vontade de destino cede ao mar: quando vemos que em ceder só a nós mesmos não há o mesmo encanto que só ela sabe dar.

E assim faz-se no mundo harmonia, dança, coro e festa. No fundo, todo aspecto entre astros que pareça favorável, é também um aspecto de Vênus: ela influi o próprio bailado do Céu. Não esqueçamos a lição do Estagirita que, quando indagado sobre como o motor do mundo o moveria estando imóvel, respondeu que “Ora, como o Amado move o Amante sem tampouco se mover…” Filha de Urano – o aquariano regente – com os mares de Netuno, onde nasceu – na talvez mais bela passagem de toda grega crença – imortalizada por Boticelli.

Tudo o que em nosso misterioso céu tangencia os âmbitos librianos tomam este ar de afeto, harmonia e equilíbro – de convencer e acordar, o avesso de qualquer disputa. A dificuldade, com isto, neste nosso mundo tão sublunar costuma ser lembrarmo-nos do oposto: Áries, nossa própria individualidade; e não perdermo-nos em demasiado apenas no que nos é exterior – e a força assertiva, que neste signo está mais obnubilada, no que pode resultar em angustiante indecisão.

Afinal, como dissera Safo, a mais Venusiana das mentes gregas, “que esta noite possa durar duas noites”: que nossa assertividade se faça apenas para afirmar firme e preclaro! No inexpugnável recito! Que serão por ventura e agora maiores os momentos! Da angústia doce de uma libriana indecisão…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *